31 de julho de 2013

[Resenha] Left Drowning - Jessika Park

What does it take to rise from life’s depths, swim against the current, and breathe?

 Weighted down by the loss of her parents, Blythe McGuire struggles to keep her head above water as she trudges through her last year at Matthews College.

Then a chance meeting sends Blythe crashing into something she doesn’t expect—an undeniable attraction to a dark-haired senior named Chris Shepherd, whose past may be even more complicated than her own. As their relationship deepens, Chris pulls Blythe out of the stupor she’s been in since the night a fire took half her family. She begins to heal, and even, haltingly, to love this guy who helps her find new paths to pleasure and self-discovery.

But as Blythe moves into calmer waters, she realizes Chris is the one still strangled by his family’s traumatic history. As dark currents threaten to pull him under, Blythe may be the only person who can keep him from drowning.

RESENHA

Left Drowning narra a história de Blythe McGuire que entra em depressão após perder seus pais em um incêndio, apesar de conseguir salvar seu irmão mais novo, Blythe sofre com as consequências deixadas pelo trágico acidente e não consegue manter nenhum tipo de relacionamento, seja com seu irmão, seja com pessoas que fizeram parte de seu passado.

As mudanças na vida da personagem começam a acontecer quando ela conhece os membros da família Shepherd, Blythe e Sabin se conhecem de forma inusitada, Sabin com o seu jeito irreverente e único, faz com que Blythe, pelo menos por um dia, tente algo novo, inesperado. E assim ela conhece Chris Shepherd.

Tanto Chris quanto Blythe sentem uma conexão muito forte ao se conhecer, mas nenhum dos dois consegue entender o motivo. Aos poucos, com a ajuda de Chris e seus irmãos (Sabin, Eric e Estelle) a personagem consegue superar os traumas do passado.


“Four yearts, Jesus, I have been like this, for four fucking years? I start to wonder what I have missed out on. Who I have missed out on. I am momentarily furious.”




Para Blythe, a família Shepherd é justamente o que a mantém na superfície e a faz conseguir reatar relacionamentos que foram interrompidos, porém cada membro da família também luta para superar os traumas do passado, principalmente o irmão mais velho, Chris.

“I have no explanation for the clear connection between us because we      are nothing alike.
           He is a fighter. I am not.
         And yet, we are unquestionably linked.”

Left Droning não narra somente a história de superação de Blythe, mostra por que ambos os personagens principais tem essa forte conexão que vai além de atração física e amor.  Chris também precisa aceitar o seu passado, e lutar para que as consequências não continuem afetando o futuro assim como afetam o presente.

A conexão que ele divide com Blythe traz esses conflitos a superfície e somente ela poderá ajudá-lo, mas para isso, é necessário que ele aceite suas dificuldades e as enfrente.

“I thought our being together would be a slow build.
I thought we should find our way into a love with no return.
I thought we were an absolute”

Apesar do passado dos personagens, o livro não tem uma narrativa triste nem pesada, é uma história de superação, em que é necessário deixar o que aconteceu no passado e (re)aprender a amar. Left drowning é muito bem escrito, com uma pitada de safadeza, como a maioria dos gêneros NA, e também bom humor que resulta da amizade de Sabin e Blythe.

Jessica Park consegue construir uma história envolvente que leva os seus leitores a sofrerem a rirem junto com a a família Shepherd e Blythe. Clique aqui para ler o primeiro capítulo e aqui para ver o clipe do livro que com certeza esse será um dos melhores de 2013.

Nenhum comentário:

Postar um comentário